Conceito de vida

Enfim morri

Morri de vergonha

Morri na insônia

Morri porque deixei de sonhar

Foram tantas mortes homeopáticas

Que por fim resolvi ressuscitar

Não por mim

Mas por tudo o que se tem nessa vida

Que ainda dá para acreditar

Colhi as flores

Do meu caixão de lamentações

E fui respirar

A vida é um sopro

As cores, os aromas, a maciez

Os cabelos voando ao vento

O sol na pele, no solo, nos nutrientes

O sorriso de quem está contente

O ventre que se abre para a vida

O bebê que aprendeu andar

O adolescente que procura o seu lugar

O adulto que tudo quer dominar

O idoso que tem a sabedoria como pilar

Tudo evolui, cresce, enaltece, morre, brota

A morte não é lugar para ficar

É! Suspeito que todo sujeito morre e renasce todos os dias

Num piscar de olhos

Acordei

Então, só por hoje viverei

O infinito

E fim.

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s