Sigo avoada

Estou dando os passos
Conforme meu espírito
E se não vou mais longe
É porque não é meu caminho

Já não me sinto sozinha
E nem pequenina
Achei meu ninho
Uma câmara oca
Que repousa sobre o diafragma

Deito lá de noite
De dia sinto o fragor humano
Uns marcham com pernas e metas
Outros com imersão
Na imensidão

Sigo voando
Avoada na revoada

Minhas penas caem no chão
E se misturam com os rastros
De todos aprendizes

Dos que se perdem, dos que se prendem e dos que são felizes

Na Terra.

5 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s